TRANS AFRICAN CONCESSIONS (TRAC) TEM COMO RESPONSABILIDADE GERIR A N4 ROTA COM PORTAGEM A PARTIR DA RAMPA DE SAÍDA SOLOMON MALHANGU NA CIDADE DE TSHWANE (PRETORIA), NA PROVINCIA DE GAUTENG ATÉ AO PORTO DE MAPUTO EM MOÇAMBIQUE.

    Sorry, no posts matched your criteria.

Trans Africa Concessions (TRAC) é uma empresa internacional de propriedade privada, e que tem como responsabilidade  gerir a N4 Rota com Portagem a partir do Nó da Solomon Mahlangu Drive em Tshwane (outrora Pretoria),Gauteng, até ao porto de Maputo em Moçambique.

A visão da TRAC é ligar pessoas, lugares e países de forma rápida, conveniente e segura, sendo este o motto para o qual a empresa vive.

A empresa emprega para cima de 500 funcionários, é chefiada por Graham Esterhuysen CEO da mesma, que por sua vez tem o apoio de seis Gerentes Executivos.

  • Engineering

    Wimpie Janse van Rensburg

  • Human Resources

    Adri Fourie

  • Finance

    Ilze Stander

  • Plazas South Africa

    Obed Lebudi

  • Plazas Mozambique

    Firmino Inguane

  • Maintenance

    Derek Howe-Dreyer

TRAC N4

A TRAC foi constituída e formalizada no decorrer do ano de 1996, passando de imediato a ser um elemento essencial da Iniciativa de Desenvolvimento Espacial do Corredor do Maputo, após assinado o contracto de concessão pelo periodo de trinta (30) anos, decorria por altura o ano de 1997. O contracto assegura  que a TRAC  gere deteminadas secções da N4 Rota com Portagem, conjuntamente com a (SANRAL), South African National Roads Agency Limited e sua contraparte Moçambicana, (ANE) Administração Nacional de Estradas.

 

A TRAC foi inicialmente contractada para desenhar, construir, financiar, operar e manter a N4 entre eMalahleni (outrora Witbank)na Africa do Sul e Maputo em Moçambique. Aontece que a  concessão é então acrescida de sessenta (60) km, a partir do nó Solomon Mahlangu Drive até à divisória fronteiriça virtual Gauteng/Mpumalanga, decorria por essa altura o ano 2005, totalizando  570 km de rota. A gerência e os melhoramentos da estrada só são possíveis através dos fundos gerados nas seis (6) portagens ao longo da linha principal, e das quatro plazas nas rampas de saída que a TRAC opera ao longo da rota.

 

O  contracto de Construção, Operação e Transferência (BOT), expira no dia 5 de Fevereiro de 2028 e representa uma sociedade marco-geodésico com os governos da Africa do Sul e Moçambique, sector privado e comunidades ao longo da rota, com cada um destes partidos comungarem nos riscos e recompensas associados ao projecto:

Afirmação na Missão

TRAC, seus empregados e aprovisionadores de serviços afiliados, empenham-se em

  • Serem responsáveis

  • Reconhecer e estimar

  • Dar valor ao utente da estrada

  • Construir confiança e respeito

  • Construir confiança e respeitosity

  • Celebrar a diversidade

  • Ser consistente

  • Focar em boa administração

  • Trabalhar em união

  • Manter-se na vanguarda da tecnologia

  • Ter comunicação franca e aberta

  • Focar na formação e desenvolvimento

Para que todos os Principios Descritos nas Linhas Acima fiquem assegurados, TRAC,seus empregados  e todos os aprovisionadores de serviços afiliados,refutam:

  • Aceitar medíocridade

  • Receio em se exprimir

  • Faltar contínuamente

  • Arrogância

  • Burocracia

  • Apunhalar pelas costas, politiquices e bisbilhotice

  • Fraude e corrupção

  • Má disciplina

  • Falta de integridade

  • Incompetência

  • Manutenção miserável

  • Falta de visão condutora

  • Falta de cuidados e humanidade
  • Indecisões e falta de acção

GOSTARIA DE ENTRAR EM CONTACTO COM A TRAC?