TRANS AFRICA CONCESSIONS (TRAC) TEM COMO RESPONSABILIDADE GERIR A N4 ROTA COM PORTAGEM A PATIR DA RAMPA DE SAÍDA SOLOMON MALHANGU NA CIDADE DE TSHWANE(PRETORIA), NA PROVINCIA DE GAUTENG ATE AO PORTO DE MAPUTO EM MOÇAMBIQUE.

    Sorry, no posts matched your criteria.

Tratando-se a N4 Rota com Portagem de uma Empresa que Constrói, Opera e Transfere a estrada com portagem (Build, Operate and Transfer (BOT), percorrendo aproximadamente a distância de 570 Kilometros. A TRAC é detentora de concessão pelo prazo de 30 anos com as agências de estradas nacionais, Sul africana e Moçambicana – SANRAL e ANE respectivamente – esta concessão foi assinada no ano de 1997 tendo como compromisso o seu desenvolvimento, gerência e manutenção, estimular e facilitar o negócio em três regiões chave na ecónomia – Gauteng, Mpumalanga e Moçambique.

O desenvolvimento e manutenção da N4 estrada com portagem só é possivel com os fundos gerados pelas seis portagens ao longo do trajecto e que são geridas pela TRAC.

Aquando em viagem, pela N4 Rota com Portagem, os viajantes deparam com vistas e paisagens deslumbrantes, efeitos e promenores geológicos que traduzem a viagem por esta majestosa estrada uma experiência para a vida, para além destes magnifícos cenários deparam ainda com um grande número de opções nas areas do lazer,desporto e actividades naturais, como também pontos de comes e bebes que servem comidas e bebidas deliciosas, muitos destes pontos fornecem comidas únicas, sem paralelo.

TSHWANE

A N4 Rota com Portagem transporta os seus viajantes através de uma variedade de panoramas genuínos, uma viagem enriquecedora para todos quantos nela viajam. O que torna a N4 Rota com Portagem única e muito interessante é o facto de ligar dois países, três provincias distintas, (Gauteng,Mpumalanga, Maputo) e quatro regiões diferentes. A Rota tem o seu início em Tshwane (Pretoria) – a cidade capital administrativa do país – que é também conhecida pela sua história fascinante, as cativantes avenidas alinhadas por Jacarandas e pradarias salpicadas pelas  suas árvores de espinhos. Estas planicies cénicas consequentemente dão espaço aos campos dourados pelas vastissímas plantações de milho pelos lados de Bronkhorstspruit, seguindo-se logo os imensos campos de exploração de carvão em Mpumalanga na região do Highveld.

MPUMALANGA HIGHVELD

A região do Highveld tem o seu início em eMalahleni, tem como significado “local do carvão” – nome simbólico para com o historial e estatuto actual da cidade, é tida como a capital do carvão da província. A cidade de Middleburg conhecida pelo seu desenvolvimento agrícola e industrial situa-se próximo de eMalahleni, mantendo o estatuto como capital do aço-inoxidável em Africa. Continuando a viajem em direcção Leste a rota surpreende os viajantes ao aproximar-se de Belfast e Machadodorp, mística area normalmente envolta por neblina, dedicada à criação de trutas e de gado, bovino e caprino, imediatamente antes da rota de dividir em duas – uma viajem através de Waterval Boven, local onde a rota transporta os viajantes pelo tão afamado túnel, a segunda rota transporta os viajantes através de Schoemanskloof.

A segunda viaja desde Machadodorp até Montrose Falls, através de montes, vales e florestas, com vistas tanto panorâmicas como de  deslumbrantes, ao ponto de fazer parar a respiração de tão lindo que se apresenta. Rota que transborda significado cultural e locais patrimoniais, reconhecidos pontos túristicos e alojamento.

A secção de Waterval Boven apresenta-se com um passado histórico muito rico, e de imensas possibilidades à exploração. É a porta de saída para que se possa aceder, em Mpumalanga, aos melhores pontos montanhosos para a práctica de caminhadas e alpinismo. É também muito distinta pelos seus laços históricos, sendo visivel como a vila se apresenta colocada, por entre as sombras de milhares de paredes de pedra, acreditando-se que sejam as ruínas de BaKoni Settlement.

LOWVELD

A descida das escarpas do Highveld até ao viçoso Lowveld apresenta-se destacado, tanto pela Rota Schoemanskloof como por Waterval Boven. Com o propósito de tirar proveito das duas lindas rotas muitos dos viajantes alternam o seu percurso, daí tirando o máximo proveito destes dois mundos, diferentes mas igualmente maravilhosos. As duas rotas juntam-se no entroncamento em Montrose, sito aproximadamente 30Km de Mbombela (Nelspruit). Chegados a este ponto o viajante encontra-se oficialmente no Lowveld, as vistas com que o viajante depara não desmentem, o calor associado à humidade por esta parte do mundo acabam por o confirmar.

Ao longo dos anos a N4 tem mudado significamente para que possa acomodar o aumento continúo de tráfego. Uma das mudanças mais significativas foi a da construção da via circundante em Nelspruit, conhecida como Northern Ring Road, que permite aos viajantes evitar a passagem pelo centro citadino que se encontra por norma com imenso tráfego. Em anos passados os viajantes não tinham alternativa, tinham mesmo de ser apanhados pelo tráfego citadino, agora optando pela via circundante torna a viagem ainda mais bela. A via circundante de Mbombela junta-se à N4, trajecto principal, no entroncamento próximo de Karino, a pouca distância do desvio que dá acesso ao aeroporto internacional, Kruger Mpumalanga International Airport  (KMIA). A partir deste ponto o viajante começa a ver e a conhecer o esteio principal da economia do Lowveld – fazendas de fruta subtropical. Nkomazi é particularmente rica no cultivo de cana de açucar, este cultivo é fortificado pela muito conceituada açucareira TSB sita a Malalane. Nesta pequena cidade (Malalane), o viajante encontra dois dos muitos portões de acesso à mais prestigiada reserva de vida selvagem no mundo, Kruger National Park . A saída em direcção ao portão, Malelane Gate, a partir da N4 está a muito pouca distânçia da pequena cidade de Malalane, enquanto que o portão, Crocodile Bridge Gate, dista alguns Kms mais distantes a partir de Malalane. O viajante disfruta ainda na N4, antes de chegar a Komatipoort, de saída de ligação directa ao Reino da Suazilândia, passando pelo posto fronteiriço, Jeppes Reef Border Post.

POSTO FRONTEIRIÇO LEBOMBOS

Komatipoort é a última pequena cidade Sul Africana na rota N4 (em direcção Leste) tendo o Posto Fronteiriço Lebombos a poucos Kms de distância. Posto fronteiriço este que se apresenta em permanente estado activo, marca o início do último trecho de 91 Km Rota com Portagem TRAC N4, já em território Moçambicano, que é aqui conhecida pela EN4. O Posto Fronteiriço Lebombos conjuntamente com o Posto Fronteiriço de Ressano Garcia são reconhecidos pelos postos fronteiriços mais movimentados de Africa. Ambos desempenham papel critíco na aliânça económica dos dois países, daí o movimento constante, quer seja de camiões de carga, viajantes em viajens de negócio ou turistas.

Para toda a informação sobre a passagem por estes postos fronteiriços vá à página web do Maputo Corridor Logistics Initiative (MCLI) www.mcli.co.za

MOÇAMBIQUE

Desde o inicio da sua construção no ano de 1999 a EN4 tem evoluido como estrada de qualidade, sendo que hoje orgulha-se de possuir superfícies de rodagem de excelência, pontes, marcação dos pisos e sinalética. Construir a estrada provou uma experiência inesquecível para todas as equipas construtoras da TRAC, não só removeram inúmeras minas anti-pessoal ali depositadas ( por consequência da guerra civil que durou vários anos), tendo também descoberto muitas reliquias pertença a esse tempo de guerra. A EN4  dispõem de duas plazas (portagens), Moamba Toll Plaza e Maputo Toll Plaza, sendo que esta última é a portagem mais movimentada em toda a Rota com Portagem N4, sendo igualmente a mais movimentada em toda Africa Sub Sariana.

A cidade capital de Moçambique, Maputo, evolui para uma metrópole com imensa actividade,  sendo este o testemunho no desenvolvimento e progresso pós-guerra. A Rota com Portagem N4 tem sido o catalizador em todo este processo de crescimento, tendo para isso actuado como pivot na melhoria das condições operacionais entre os dois postos fronteiriços da Africa do Sul e Moçambique.

GOSTARIA DE ENTRAR EM CONTACTO COM A TRAC?